segunda-feira, novembro 21, 2016

O teu choro

.
.
.



O teu choro abarca todas as despedidas
fazendo o céu descer até aos nossos ombros
como se de repente anoitecesse.

o teu choro 
a tua dor parada nos olhares que ficaram
abraços cujo rasto se perdeu
a própria chuva 
escorrendo das árvores que nunca partiram.

Mãos despidas se levantam para dizer adeus
corpos quietos no coração do frio
pés presos a nada
como se amanhã fosse outro dia.

Outra noite 
o mesmo olhar que fica 
o mesmo sentimento 
mãos dentro das nuvens
e das asas molhadas dos pássaros
mãos agarradas ao vento
como se amanhã fosse outro dia.



#48. Fragmento de fotografia (Victor L.)

2 comentários:

Xisto disse...

É absolutamente lindo.

pilar diaz disse...

Lindo, Poeta!!!