terça-feira, dezembro 12, 2006

Permaneces

.
.
.



Permaneces
silêncio antiquíssimo
dentro de cada palavra,
se existe infinito
que venha de manhã
à janela que se inclina para o frio
à neblina que vagueia sobre a terra
às folhas mudas dos teus olhos.
Não faças nada
fica assim
dormindo o sono manso.


#9. Peter Fink, fragmento de fotografia.

4 comentários:

Anónimo disse...

Aprender a (in)permanência, inclusivé a do sono é uma coisa muito séria!
Até sempre!
Aldina

roteia disse...

Penso, como Aldina, que a permanência é uma coisa muito séria. Ocorrem-me, a propósito, as palavras luminosas de Eugénio de Andrade: "É urgente o amor, é urgente permanecer", e também porque as palavras são como as cerejas, "É preciso partir, é preciso ficar".

Mister disse...

fica...

aldina disse...

FESTAS FELIZES!

"A luta para manter a paz é infinitamente mais difícil que qualquer operação militar."
(Anne O'Hare McCormick)


Até sempre :-)