terça-feira, dezembro 05, 2006

Agora vai

.
.
.


Agora vai.
Pega ao colo o que herdaste
a cor do rosmaninho
o cheiro das maçãs
e vai.
Se subires ao alto do vento
entras no inverno com a mansidão dos livros.
Deixa a chuva escorrer pelos teus medos
estende os braços às sombras transeuntes
e abre o teu sorriso.
Segue a rota dos barcos de papel,
as asas das gaivotas e dos corvos,
a ponte verdadeira.
Despede-te de nada
e caminha.
Observa o rio,
as suas águas correm para o teu olhar.



#8. Edward Steichen, fragmento de fotografia.

6 comentários:

Roteia disse...

Vai e não vás,
recebe todas as cores, abandona-te
a ti próprio e não te abandones, como se o caminho não tivesse fim e tivesse fim.
Vai pela ponte verdadeira.

(é belo o poema! que me perdoe o autor a insensatez de ter citado algumas das suas palavras fora do contexto)

Pilar disse...

Obrigada por mais UM poema.
(Gostava um dia encontrar a ponte verdadeira).

BaLa disse...

Que bom ter feito uma pausa para visitar este sítio e este poema. Por ele visitei-me a mim própria e sei onde está a ponte verdadeira. Embora ainda não a consiga ver, as rotas estão por aí, todos os dias.
Cada ser é uma ponte verdadeira - a sua ponte.Visível em dias de olhar claro sobre o rio cá dentro.

Obrigada

aldina disse...

dá vontade de ir mesmo... em frente, fazendo o caminho que nos cabe!

Até sempre

Anónimo disse...

obrigado,
é uma dávida,
patas

patas disse...

obrigado,
é uma dávida,
patas