sexta-feira, janeiro 04, 2008

Uma sombra

.
.
.


Uma sombra
ocupa o vasto colo
que ousou calar o riso
noutro colo
à beira das praias primitivas.
Sombra espessa
e no entanto
um rasto cintilante
parecia trespassar a noite
desde o tempo das palavras fundas,
uma pétala solta
no espaço sem chão.


#26. Man Ray, fragmento de fotografia.

3 comentários:

Pilar disse...

...La poesía es como el viento,
o como el fuego, o como el mar.
Hace vibrar árboles, ropas,
abrasa espigas, hojas secas,
acuna en su oleaje
los objetos que duermen en la playa..."

José Hierro
(España, 1922 - 2002)

Pilar

Anónimo disse...

"Los hombres nunca saben
cuánta dulzura
y cuánto quebradizo silencio
hay en una poesía".

Efraín Huerta
(México 1914-1982)


Poeta, estamos a precisar de mais uma. Ficamos a espera.

Pilar e Marga

Anónimo disse...

Há poemas que só se lêem uma vez, outros quanto mais os lemos mais os sentimos.Um beijinho de gratidão para este autor.

Z.Cruz