quinta-feira, maio 27, 2010

Lucidez

.
.
.



Quem ficará suspenso desse olhar

quando as nuvens transitórias

dissiparem
a exactidão das formas,

quem recordará o riso

as pontes altas do sonho

os corpos descampados

as palavras perdidas.

Quem por essas mãos caminhará

dentro da madrugada,

que rasto guardará a lucidez.



#45. René Magritte, fragmento de pintura.

1 comentário:

Aníbal Raposo disse...

Caro Victor,

Lindo este poema.

Abraço