terça-feira, outubro 21, 2008

Ano 2
Índice por imagens

25 26 27

28 29 30

31 32 33

34 35 36

11 comentários:

Bala disse...

Parabéns sentidos pelo segundo aniversário, da colega do blogue aqui ao lado, Ultraperiférico.

Certas imagens transmitem sons de que gosto muito. estas, por exemplo.

Obrigada

Maria Vizinha disse...

Numa breve paragem na correria da vida,frenética e sem destino, chegam-nos aos sentidos "certos sons" e aí percebemos: só os poetas são eternos.

Tornar livro certos sons, parece-me uma boa maneira de comemorar o aniversário.
Aqueles que ainda preferem o objecto ao virtual,ficariam gratos

Victor L. disse...

Obrigado, Bala, pelos parabéns.

Victor L. disse...

Obrigado, Maria Vizinha. Quanto a "tornar livro certos sons"...talvez, qualquer dia.

pilar disse...

… “Julgo ser essa uma das grandes tarefas da poesia, acordar em nós os sentidos e o prazer pelo autêntico. Acrescentar dimensões de afecto”…

Roteia
Comentário feito neste blog o 4/1/2008



Muitos parabéns!!!

Continuarei passando por aqui com a mesma frequência, porque acredito que encontrarei a “direcção do vento”

Pilar

Victor L. disse...

Obrigado, Pilar, pelo teu comentário.

Marga disse...

Muitos Parabéns! e uma prenda:

Mi casa y mi corazón

Si salgo algún día a la vida
mi casa no tendrá llaves:
siempre abierta, como el mar,
el sol y el aire.

Que entren la noche y el día,
y la lluvia azul, la tarde,
el rojo pan de la aurora;
La luna, mi dulce amante.

Que la amistad no detenga
sus pasos en mis umbrales,
ni la golondrina el vuelo,
ni el amor sus labios. Nadie.

Mi casa y mi corazón
nunca cerrados: que pasen
los pájaros, los amigos,
el sol y el aire.


Marcos Ana

pilar disse...

Muitos Parabéns!!! (bis)

Outra prenda,

Alguns gostam de poesia

Alguns —
quer dizer nem todos.
Nem a maioria de todos, mas a minoria.
Excluindo escolas, onde se deve
e os próprios poetas,
serão talvez dois em mil.

Gostam —
mas também se gosta de canja de massa,
gosta-se da lisonja e da cor azul,
gosta-se de um velho cachecol,
gosta-se de levar a sua avante,
gosta-se de fazer festas a um cão.

De poesia —
mas o que é a poesia?
Algumas respostas vagas
já foram dadas,
mas eu não sei e não sei, e a isto me agarro
como a um corrimão providencial.


Wislawa Szymborska, poeta da Polónia, prémio nobel em 1996

Victor L. disse...

Obrigado por este poema, intemporal como as palavras de Marga: "mãe, já acordei."

Victor L. disse...

Pilar,
esta é uma PRENDA! Gracias.

sou eu disse...

gosto imenso do seu blog.

este post está lindíssimo.

e parabéns.